Batalha celebra 168 anos com desafios e renda: a apicultura

No coração de Batalha, a apicultura se estabelece como uma das principais fontes de sustento para diversas famílias, tanto na zona rural quanto urbana. Com aproximadamente 20 apicultores ativos, o município alcança uma produção anual de cerca de nove toneladas de mel, distribuídas entre o mercado local e exportação.

Além do mel, destaca-se a produção de pólen, elemento vital na dieta das abelhas, tornando-se um suplemento proteico de excelência para a alimentação humana. Mais do que uma atividade rentável na agricultura familiar, a apicultura tem redefinido o panorama dos pequenos agricultores e microempreendedores no Piauí.

Antônio Gomes, carinhosamente conhecido como Totó e residente na localidade Caraíbas II, zona rural de Batalha, ingressou na apicultura em 1983, impulsionado por uma iniciativa da paróquia local.

"Começamos por volta de 1983, se não me falha a memória. Foi uma iniciativa da paróquia que nos incentivou a iniciar a criação de abelhas por aqui", relembra Totó.

O período de maior produção para os apicultores se concentra entre julho e setembro, porém, enfrenta desafios durante o inverno. Sr Totó destaca a preocupação com a redução do número de abelhas, uma tendência preocupante para os produtores.

"Estamos enfrentando uma redução na produção; as abelhas estão diminuindo e ainda não compreendemos o motivo. Este ano, por exemplo, não houve muitos enxames, algo que costumava ser frequente. Agora está muito fraco", lamenta.

Para contornar a baixa produção de mel, os apicultores têm investido na apitoxina, o veneno das abelhas usado em medicamentos para diversas condições, como nevralgias, traumas, tendinites, bursites e inflamações comuns.

"Estamos agora direcionando nossos esforços para a apitoxina, como é chamado o veneno da abelha. Realizamos uma coleta e enviamos para a cooperativa em Piracuruca, onde é feita a extração. Estamos explorando essa comercialização da apitoxina, acreditamos que terá um bom resultado e já estamos trabalhando nesse sentido", revela Totó.

A localidade Caraíbas II abriga mais de oito apicultores associados a uma cooperativa que facilita a comercialização para outros municípios e até mesmo no exterior. A "Casa do Mel", fruto de um convênio bancário promovido pela Cooperativa Apícola do Semi-Árido Brasileiro (CASA APIS) de Picos/PI, é o epicentro dessa produção, proporcionando a estrutura necessária para o processamento do mel após sua retirada dos apiários individuais, embora todos os apicultores contribuam mutuamente durante esse processo na Casa do Mel, localizada na própria localidade Caraíbas II.

Postar um comentário

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do portal e são de responsabilidade do autor.