[Latest News][6]

3 anos
30 anos da Capela de São Miguel Arcanjo
5 anos
Agenda Cultural
Agenda de Shows
Anúncios
Arnaldo Francisco
Artigos
Assunção do Piauí
Barras
Batalha
Batalha 160 anos
BBB19
Beleza
Bem Estar
Boa Hora
Bom Jesus
Brasil
Brasileira
Buriti dos Lopes
Cada Falso
Campanha “Eu amo Batalha”
Campanhas
Campo Maior
Caraíbas
Carnaval 2018
Carnaval 2019
Casa e Decoração
Ceará
Charge
Cidade
Cidades
Cocal
Coisas da nossa terra
Colaboradores
Concursos
Copa 2014
Copa 2018
Copa 2022
Crônicas
Cultura
Curiosidades
Da Redação
Destaque
Editoria de Cidades
Educação
Eleições 2014
Eleições 2016
Eleições 2018
Em Foco
Enem 2014
Enem 2015
Enem 2016
Enem 2017
Enem 2018
Entretenimento
Espaço Livre
Especial
Esperantina
Esporte
Esporte Campeão
Estilo de Vida
Eventos e Festas
Evite queimadas
Fake News
Fatos Curiosos
Festa de SMA
Festa do Bode 2017
Festejo de São Miguel Arcanjo
Floriano
Fotos
Galeria de Fotos
Gente
Gente e TV
Geral
Imagens
Invista Fácil
javascript:void(0);
José de Freitas
Lagoa de São Francisco
Luzilândia
Marinheiro
Melhores do Ano 2018
Morro do Chapéu
Mundo
Na Lente
Natal do Diário 2016
Natal do Diário 2017
Notícias
Notícias da TV
Notícias regionais
Novidades
Olimpíada Rio 2016
Operação Lava Jato
Parnaíba
Pe. Leonardo Sales
Pedro II
Piauí
Picos
Piracuruca
Piripiri
Plantão
Polícia
Política
Pontos Turísticos
Programa 15 Minutos
Redação nota 1000
Retrospectiva 2017
Revista Diário de Caraíbas
saúde
Semana Santa
Solidariedade
techNews
Tecnologia e Games
Teresina
Textos da Vivi Antunes
Timon-MA
travel
Últimas
Urgente
Variadas
Vídeos
VlogdoArnaldo
Você Repórter
Web Rádio
Web Rádio Caraíbas
z

Brasil poderá observar esta noite dois fenômenos lunares

Dois dos três fenômenos lunares que ocorrem hoje (31) poderão ser observados esta noite no Brasil. A Super Lua, que dará mais brilho ao único satélite natural da Terra, será também Lua Azul – nome dado à segunda lua cheia de um mesmo mês. Quem estava do outro lado do planeta, na região do Pacífico, pôde observar, enquanto ainda era dia no Brasil, o terceiro fenômeno: um eclipse lunar.

O que torna a lua deste 31 de janeiro rara é o fato de os três fenômenos ocorrerem simultaneamente. “A próxima coincidência [da Super Lua que é, ao mesmo tempo, Lua Azul em meio a um eclipse] só vai acontecer em 2037. Depois, só após 2100, ano limite da tabela que tenho aqui em mãos”, explicou à Agência Brasil o astrofísico da Sociedade Astronômica Brasileira Gustavo Rojas.

Lua Azul é o nome dado à segunda lua cheia de um mesmo mês ou à quarta lua cheia de uma mesma estação. No caso desta Lua Azul, ela carrega uma outra coincidência, a de se enquadrar nessas duas situações.

Já a Super Lua ocorre quando a lua cheia coincide com o período em que o satélite natural está mais próximo da Terra. “A órbita da Lua é oval. Em média ela está a 384 mil quilômetros da Terra. Quando mais distante, está a cerca de 400 mil km; e quando está mais perto, está a cerca de 360 mil km”, explicou Rojas, que é também do Observatório Astronômico da Universidade Federal de São Carlos.

“Esse termo [Super Lua] é meio enganoso por fazer com que as pessoas achem que a Lua ficará gigante. Na verdade, em termos de tamanho, ela fica apenas 10% maior do que quando está na posição mais distante. O que fica mais perceptível é o brilho, que fica 30% maior [na mesma base de comparação]. No entanto, isso fica pouco perceptível quando a observação é feita das cidades, onde há luz artificial”, disse o astrofísico, sugerindo que as pessoas se afastem das cidades para uma melhor observação.

Segundo ele, a simultaneidade da Lua Azul com a Super Lua representa uma coincidência de calendários. “Muitos calendários têm a Lua como referência. É o caso dos calendários judaico e muçulmano, por exemplo. A Lua tem um intervalo de 29 dias. Nosso calendário é dividido em meses que, em geral, são de 30 dias. Não à toa as palavras moon e month (lua e mês, em inglês) têm a mesma raiz. A lua influencia inclusive festas cristãs como a Páscoa, que ocorre no primeiro domingo após a [primeira] lua cheia [do outono, no Hemisfério Sul]”.

Rojas lembrou que a influência da lua nas civilizações antigas é notória. “Essas civilizações [as antigas] perceberam a ocorrência de ciclos regulares a partir dos movimentos celestes. É o caso da rotação da Terra [ao redor de si] e do movimento que ela faz ao redor do Sol. Foi a partir dessas observações que os calendários foram montados. As civilizações antigas não tinham visões avançadas do Universo, mas tinham entendimento bastante preciso da regularidade dos corpos celestes”.

De acordo com o astrofísico, a partir desses calendários, foi possível, ao ser humano, passar a fazer planejamentos, o que mudou de forma definitiva diversos hábitos e culturas. “Com o calendário, desenvolvemos, entre outras coisas, a agricultura, que foi fundamental para que deixássemos de ser nômades”, exemplificou.

Já o eclipse ajudou a ciência a explicar diversos fenômenos que vão além do nosso planeta e do Sistema Solar. “O eclipse é a projeção da sombra da Terra na Lua. Por meio da espectroscopia, ao observarmos esse evento – que funciona como uma lente, ao jogar uma luz diferente sobre a Lua – podemos obter várias pistas sobre a atmosfera do nosso planeta”, explicou.

Dessa forma, acrescentou Rojas, é possível, durante o eclipse, encontrar indícios de que há vida na Terra. “E se aplicarmos esse mesmo conhecimento em outros planetas, quando passam à frente de uma estrela, poderemos saber se há ou não material orgânico em sua atmosfera”, completou.

Fonte: Agência Brasil

About Author Mohamed Abu 'l-Gharaniq

when an unknown printer took a galley of type and scrambled it to make a type specimen book. It has survived not only five centuries.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Start typing and press Enter to search