Próximo prefeito eleito pode ter o mandato de seis anos

Do dia 25 a 28 de maio deste ano acontece a XVII “Marcha dos Prefeitos”, evento que acontece em Brasília e reúne gestores de cidades do país inteiro. Considerada um dos maiores eventos políticos do Brasil, que chega a reunir cerca de cinco mil autoridades, a Marcha desse ano terá como uma das principais pautas a reforma política, de acordo com o presidente da Associação Piauiense de Municípios (APPM), Arinaldo Leal. 

Segundo ele, o desejo é unânime. “Para nós, políticos, hoje a coincidência de mandato e o fim da reeleição é o mais importante”, diz Arinaldo, que aponta ainda a vontade dos gestores de prologar o mandato atual para seis anos, ou quem sabe para que isso possa acontecer no mandato em que será disputado nas próximas eleições, em 2016, para que em 2022 já haja a coincidência desejada – o que seria a eleição única, proposta pela reforma.

 “A primeira proposta dos congressistas era colocar o próximo mandato para
dois anos, para já coincidir as eleições, pois é consenso de todas as partes acabar a reeleição e coincidir todas as eleições. Agora estão recuando e o mais provável é que o mandato seguinte seja de seis anos, assim as eleições iriam coincidir em 2022. Outro fato importante é o fim das coligações proporcionais, que é um fato importante para fortalecer os partidos. Então nos municípios, é claro, os prefeitos preferiam que fossem prorrogados os mandatos até 2018, mas se isso não ocorrer, já melhora a situação de ter uma eleição para seis anos”, disse Arinaldo.

Fonte: Folha de Batalha

Comentários