Alunos passam mal após tomarem medicamento tarja preta, no Piauí

Três adolescentes foram hospitalizados após ingerirem um medicamento tarja preta na Escola Municipal Valter Alencar, situada no bairro Vale Quem Tem, Zona Leste de Teresina, na última terça-feira (28). Os jovens, com idades entre 13 e 15 anos, foram prontamente atendidos e estão em condições estáveis. A Secretaria Municipal de Educação já está investigando o incidente por meio de uma equipe técnica designada para o caso.

De acordo com a conselheira tutelar Renata Bezerra, o medicamento clonazepam foi levado à escola pelo jovem de 13 anos, que possui prescrição médica para o seu uso. No entanto, ao ingerir uma dose superior à indicada na companhia dos colegas mais velhos, o adolescente apresentou reações como convulsões e rigidez muscular.

Os outros dois adolescentes, de 14 e 15 anos, também ingeriram o medicamento, porém em doses menores e sem prescrição médica. Como consequência, ficaram letárgicos e foram prontamente atendidos pelo Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). Os dois mais velhos receberam atendimento e foram liberados para casa, enquanto o jovem de 13 anos precisou ser hospitalizado, sendo liberado na noite do mesmo dia.

Renata Bezerra alertou para a importância de evitar o acesso de crianças e adolescentes a medicamentos sem supervisão, ressaltando que a curiosidade natural da idade pode colocá-los em risco. O Conselho Tutelar realizou uma reunião com os pais e responsáveis dos jovens para orientá-los sobre como lidar com essa situação.

O clonazepam é um medicamento prescrito para tratar condições como ansiedade, convulsões e epilepsia, agindo para tranquilizar o sistema nervoso central e reduzir a atividade cerebral. Seu uso, no entanto, requer prescrição médica devido aos possíveis efeitos adversos e ao risco de dependência. A utilização em doses elevadas pode até mesmo ser fatal.

*Com informações do G1 Piauí

Postar um comentário

Postar um comentário

Os comentários não representam a opinião do portal e são de responsabilidade do autor.