Internações de bebês no Brasil por desnutrição é a maior nos últimos 14 anos

Em 2021 o Brasil teve a pior taxa de internação de bebês por desnutrição dos últimos 14 anos, é o que mostra um estudo realizado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). O levantamento é do Observa Infância, que reúne pesquisadores da Fiocruz e da Unifase. Os dados são do Ministério da Saúde.

Uma matéria exibida na noite desta terça-feira (25), no Jornal Nacional da TV Globo, mostrou que 2.939 crianças de até 1 ano precisaram de internação no ano passado. Ou seja, isso representa uma taxa de 113 internações por 100 mil nascimentos.

Esse número foi quase 11% a mais do que o registrado no ano de 2008, primeiro ano do período analisado pela pesquisa. No período de janeiro a agosto de 2022, o número de internações de crianças levadas ao hospital porque têm fome aumentou 7%. Ou seja, são quase nove crianças internadas por dia.

No Nordeste encontra-se a situação mais complexa, pois o número de hospitalizações é 51% maior do que a taxa nacional. De acordo com o coordenador da pesquisa, Cristiano Boccolini, o problema é grave em todo o país.

Ainda de acordo com o JN, apesar do aumento das internações, a mortalidade infantil não cresceu. O atendimento médico no SUS tem evitado o pior.

O que diz o Ministério da Saúde?

O Ministério da Saúde declarou que no ano passado destinou R$ 345 milhões aos municípios para incentivar ações e fortalecer a atenção a crianças com menos de sete anos e gestantes com má nutrição.

O ministério afirmou também que acompanha os dados sobre alimentação infantil e que tem programas de suplementação nutricional para famílias de baixa renda.

Arnaldo Silva

Diretor-geral de jornalismo, colunista e repórter de política e municípios do Diário de Caraíbas.