Cinco cidades do Piauí têm protestos de caminhoneiros em rodovias

Protestos de caminhoneiros contra o aumento nos preços dos combustíveis foram registrados pela Polícia Rodoviária Federal em cinco cidades do Piauí: Marcolândia, Picos, Uruçuí, Bom Jesus e Teresina. As consequências dos protestos já são sentidas na Ceasa e o aeroporto de Teresina.

Os protestos acontecem na BR-316 em Teresina, Picos e Marcolândia. Na cidade de Bom Jesus, no Sul do estado, os caminhoneiros paralisaram a BR-135. Na cidade de Uruçuí, o protesto acontece na rodovia estadual PI-247.

Segundo a Polícia Rodoviária Federal, em todos os pontos os manifestantes permitem a passagem de veículos de passeio, ônibus, ambulâncias e caminhões com cargas hospitalares.

De acordo com o caminhoneiro Edvan Ferreira, mesmo entre caminhões é feita uma avaliação que leva em consideração a natureza da carga para que o veículo seja bloqueado. “Se tiver criança ou idosos a gente deixa passar”, disse.
O superintendente da PRF no Piauí, inspetor Wellendal Tenório disse que até o momento ninguém foi autuado por conta dos protestos. “Aqui no Piauí, ninguém foi autuado por que as manifestações até o momento são parciais e por curto espaço de tempo. A última que foi feita em Teresina, por exemplo, eles nem pararam a via, fizeram uma carreata na pista”, comentou o inspetor.

Apoio da população

Nos protestos em Teresina e Uruçuí os caminhoneiros relataram ao G1 que os moradores das cidades estão doando alimentos e água para os participantes dos protestos.
De acordo com caminhoneiro Eduardo Gomes, que integra o protesto em Uruçuí populares apoiam o movimento entregando cestas básicas e água para os caminhoneiros. “Um fazendeiro da região que apoia nosso protesto nos deu um boi inteiro, e outro deu um porco”, disse o caminhoneiro.

Em Teresina, o caminhoneiro Edvan Ferreira relatou que motoristas de carros de passeio têm passado pelo local e deixado alimentos para os manifestantes. “Eles passam e deixam um saco de arroz ou algo assim. Eles sempre nos aplaudem”, disse.

Por Andrê Nascimento, G1 PI