[ListLayout]
×

Em fala de fim de ano, Temer diz que está 'mais barato para viver'

Em pronunciamento de fim de ano, o presidente Michel Temer avaliou que a economia do país está "em ordem" e afirmou que está "mais barato para viver" no Brasil. As declarações foram veiculadas nesse domingo (24) em rede nacional de rádio e TV.

"Em um curto espaço de tempo colocamos a economia em ordem, saímos da recessão e temos as taxas de juros mais baixas dos últimos anos", afirmou o peemedebista.

"Já conseguimos baixar os preços dos alimentos e aumentar o poder de compra dos brasileiros. Está mais barato para comer, para vestir, para morar. Está mais barato para viver", acrescentou o presidente.

Apesar das quedas na taxa básica de juros e na inflação, 2017 registrou sucessivos aumentos nos preços do botijão de gás – cujo valor chegou a cerca de R$ 80 em alguns estados – e no litro da gasolina.

Em outro trecho do pronunciamento, Michel Temer declarou que o governo não adotou "modelos populistas" e não "escondeu a realidade". "Não adotamos modelos populistas, nem escondemos a realidade. Nada de esperar por milagres e contar com salvadores da pátria", disse.

O peemedebista destacou, entre outros pontos, a aprovação da reforma trabalhista. "Nos últimos meses, mais de 1 milhão de novos postos de trabalho foram criados. Sabemos que o desemprego ainda é grande, mas esses números demonstram que estamos no caminho certo", disse.

Na projeção de Temer, as mudanças na Consolidação das Leis do Trabalho (CLT) vão aumentar o número de postos de trabalho. O presidente também citou as liberações de saques do FGTS e de cotas do Fundo PIS/Pasep; e a retomada de obras de infraestrutura.

Reforma da Previdência

Como tem feito em todos os discursos, Temer defendeu a reforma da Previdência. Ele disse que as mudanças nas regras de aposentadoria não são uma questão "ideológica ou partidária". "É uma questão do futuro do país e para garantir que os aposentados de hoje e os de amanhã possam receber suas pensões", frisou.

No entanto, sem os votos necessários para aprovar a proposta, o Palácio do Planalto e o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), adiaram a análise do tema para fevereiro de 2018.

Por se tratar de uma mudança na Constituição, a reforma da Previdência precisa passar por duas votações na Câmara e no Senado; e tem que contar com o apoio de pelo menos 308 deputados e 49 senadores.

Ao fim do pronunciamento, Temer desejou feliz Natal e disse que o governo está "abrindo as portas para um 2018 de mais estabilidade, de mais empregos, de mais realizações".

Fonte: G1.com.br

Comentários