Leia o novo artigo de Padre Leonardo - "200 anos da matriz de São Gonçalo!"

Na hora em que o sol, tiver atingido o seu nascimento,e iniciar a sua subida ao nascente na madrugada do dia 22 de dezembro, a Igreja de Batalha solicitará aos seus filhos que abram uma fresta em seus corações e, por ela deixe entrar em suas vidas um hino de gratidão ao Criador pelas grandes coisas que ele tem feito em nossas vidas de paroquianos da matriz de São Gonçalo e, a Igreja local como São Paulo, também suplicará:“Dai-nos lugar em vossos corações”(2 Cor 7,2a).

Abre-se hoje na terra da ametista, do bode e, sobretudo, de São Gonçalo, o Jubileu dos 200 anos da construção da igreja matriz, dedicada a este santo português tão amado, por estes lados do mundo.

Antes que os homens sonhassem Batalha, antes que as minas de ametistas revelassem a solidez deste povo, São Gonçalo escolheu um “lugar síntese” das riquezas e do jeito de ser do povo batalhense para de lá recolher todas as lágrimas e alegrias de sua história: alto da matriz. Nosso orgulho maior: Igreja matriz de São Gonçalo do Amarante, padroeiro de Batalha!

Concluída em 1814, à época erguida em estilo barroco, uma das mais belas da região dos cocais, a igreja de São Gonçalo é uma mãe de 200 anos, a se completar em 2014. Idade suficiente para ser muito amada pelos batalhenses, uma mãe quanto mais velha, mais é amada pelos seus filhos. Que devem cercá-la de carinho e cuidados!

Jubileu! Tempo de graça, glória e de perdão, são 200 anos de vida e missão!Batalha é convidada a abrir as portas do seu coração e com gratidão levantar seus frontões para exaltar a Deus que sempre é fiel e nos conduz por caminhos de luz!

Neste bicentenário que se inicia muito temos a agradecer a Deus, suplicar o seu perdão e cantar a sua Glória, pela vida de nossa Paróquia, pela vida de nosso povo simples e fiel; pela vida de tantos beneméritos sacerdotes que derramaram suas lágrimas em noites infindas, que mitigados pelo cansaço e pelo desafio grandioso da evangelização há 200 anos eles semeiam a Palavra e edificam a Igreja do Senhor pelos Sacramentos, fazendo homens e mulheres discípulos e missionários,e garimpando corações e almas para o Cristo, Senhor da história!

Dos quatro cantos dessa imensa paróquia há de surgir gente que virá com voz forte cantando aleluia, pois, o Senhor fez por nós maravilhas!

Imponente no alto da colina, este edifício religioso, "casa de oração", já assistiu há duas grandes guerras mundiais, crises financeiras, viu funda-se o sonho de colonos portugueses que aqui chegaram antes de 1814 e fincaram seus sonhos, projetaram suas ambições e desenharam um povo!

Não se trata, portanto, de celebrar somente uma data histórica. Isto seria simplesmente fazer historiografia e tudo se concluiria como um fato de crônica. Trata-se de ver estes 200 anos com o olhar de Deus, isto é: com os olhos da fé, contemplando tudo o que de bom fez o Senhor através da edificação deste templo e, contemplar todo o bem que o Ele realizou e segue realizando através daqueles que são os continuadores de tantos que a história da construção deste templo ignora-lhes os nomes. 

Neste bicentenário que se descortina aos nossos olhos, sobretudo, através dos irmãos e irmãs de ontem e de hoje contemplamos o passado com os olhos de Deus. Com os olhos da fé, a história que aparentemente se apresenta como uma simples história humana acaba sendo “história de salvação”. O que para um simples historiador é um suceder-se de acontecimentos, com luzes e sombras como em toda a obra humana, para um cristão, para um paroquiano desta matriz, ou para um devoto de São Gonçalo, tudo acaba sendo um tempo de graça no qual também há falhas, fragilidades inclusive infidelidades que, porém, são sinais e oportunidades para bendizer e louvar o Altíssimo.É na nossa fraqueza (defeito) que se manifesta a grandeza e a bondade do Senhor.

Consideremos os imensos dons que Deus tem derramado sobre nós durante estes 200 anos, e demos graças sem cessar ao Pai das Misericórdias por tanta bondade.Nossa história é graça, nossa história é surpresa de um Deus que se colocou de nosso lado. Que este Ano Jubilar possa transcorrer em ininterrupto louvor à Santíssima Trindade (Ap 11,17), sobretudo, pelos frutos de santidade que concedeu à nossa comunidade paroquial que representam “ao vivo o rosto de Cristo”.

Com a história nas mãos festejemos 200 anos de vida em missão. Pois é este um lugar de refúgio de tantos de nós, em momentos de rara beleza e espiritualidade e expressão de nossa fé, a Igreja de São Gonçalo, é um ícone não só da beleza de nossa arquitetura, suas paredes e torre falam dentro de nossos corações e almas.

Quantos ali na sua pia batismal foram batizados, quantos ali diante de seu altar, não selaram a sua união matrimonial, ou no seu patamar começaram os namoros que terminaram por assinalar que tinham encontrado sua alma gêmea?

Quantas vezes ali em momentos de perda dos nossos entes queridos, nossa alma não foi nesta casa consolada pela oração, diante da saudade daqueles que partiram para a casa celeste?

Quantas belas procissões em seu redor já participamos? Quantos de nós dentro desse templo não recebeu o Cristo pela primeira vez na Eucaristia, na celebração tão emocionante de nossa Primeira Comunhão? Sem falar no dia inesquecível de nosso Crisma? Quantos não saíram dali alimentados pela Palavra Santa de nosso Deus, anunciada em seu púlpito?

Acrescente se a tudo isto o espetáculo de rara beleza que a cada ano presenciamos: do alto de seu patamar salpicado de gente, com suas velas e corações acessos olhando para o mastro que é majestosamente erguido por braços de todas as cores e força de tanta gente, tão diferentes e tão iguais, a erguer o mastro verde da cor da esperança de nosso povo tendo no cimo a sagrada bandeira que imponente no alto tripudia, anunciando a quem passar pelo adro da matriz que a Batalha está em festa.

Ou mesmo o ribombar do sino que nunca sai de nossos ouvidos, mesmo com o passar dos tempos quando os nossos ouvidos não são mais os mesmos?

Que estes 200 anos seja um verdadeiro kairós que nos permita conformar-nos plenamente com Cristo e “repropor corajosamente o espírito de iniciativa, criatividade e a santidade” dos que na ousadia edificaram esta "casa de oração" nos primórdios de 1800 e, como garantia de uma profunda renovação de nossa vida, fiel à inspiração originária de nossos antepassados. 

Este deve ser irmãos e irmãs o fruto precioso deste bicentenário: voltar nosso olhar para o futuro, para o qual nos impele o Espírito, porque Aquele Deus que escreveu no passado uma grande história em nossa Batalha, deseja seguir escrevendo conosco uma grande história no presente e no futuro.

Que São Gonçalo do alto da colina, magnânima arquitetura divina, de sua casa de clemência e bondade continue nos abençoando!

Eu bato palmas, muito feliz, gosto de São Gonçalo. Sou apaixonado pela sua igreja matriz! Boa festa a todos!

Pe. Leonardo de Sales
© 2013-2021 Diário de Caraíbas - Todos os direitos reservados.