A Quaresma batalhense!

Passado os festejos de Momo, assinalados ou não na fronte com as cinzas da quarta-feira estamos todos em clima de Quaresma. Ir à missa na quarta-feira de cinzas è um preceito tão importante como ir ao velório daquele amigo do peito que partiu para a eternidade.

Quarta-feira de cinzas, logo cedo o sino, o velho bronze da matriz, depois das seis compassadas badaladas, dobrava, compungidamente, anunciando o início quaresmal.

A população pouco se dava ao clamor lúgubre do arauto de Deus, porquanto, entregue aos delírios carnavalescos, aproveitava os últimos instantes da farra curtindo um bom sono e a ressaca, que se estendia manhã afora até o bater dos pratos, anunciado o almoço sem carne do dia de preceito.

Quarta-feira de cinzas, todo mundo de braços caídos, depois de fartas festas, numa cidade religiosa como a nossa, os foliões se recolhiam, arrastando os despojos de quatro dias de loucura coletiva, como bandos desorientados, buscando o primeiro pouso para recuperação das forças combalidas.

A intensidade do rito praticado apontava para a importância que uma comunidade atribuía aos seus símbolos, e na interpretação que tinha de si mesma no conjunto de sua identidade cultural e religiosa.

Nesta crônica quero me deter sobre a vivência deste tempo em nosso chão, chamado Batalha, feito de histórias, lembranças e memórias, a Quaresma em Batalha, num passado não muito distante era algo tão carregado de ritos e proibições, que não pode passar despercebido como um simples tempo do passado, pois este tempo é grávido de significados que nos ajudam constantemente a redesenhar o presente e a nos compreendermos como o povo que somos!

Várias lendas e crendices permeavam o imaginário popular no período da Quaresma, os quarenta dias desde a quarta-feira de cinzas até a quinta-feira da Semana Santa. Hoje, essas tradições estão bem mais reduzidas, acabaram se perdendo com o tempo. Porém, para pessoas mais velhas de nossa cidade, e em alguns lugares no interior, a Quaresma era um período de recolhimento, oração, e de dormir cedo, principalmente na sexta-feira, pois ouvia quando menino da boca dos mais velhos com tamanha convicção, assim me dizia dona Maria da Mementinha, uma velha vizinha, que acreditava que nesse dia a mula-sem-cabeça e o lobisomem estão soltos no mundo.

Variados e copiosos são os aspectos folclóricos decorrentes de atos, fatos, fórmulas, ritos e quase dogmas desse tempo da Quaresma. Nesse folclore religioso inclui-se todo um infindável rol de superstições, enfim um cortejo infinito de tradições que, por estarem tão ligadas à religião, mais entranhadamente aqui e ali, sem chegar a ser uma regra, resistem à força demolidora da “civilização”.

Para esse folclore, a Quaresma, e dentro desta a Semana Santa, concorriam com interessante contingente de crendices, orações e adivinhações, o bulhento ofício de trevas, a solene procissão de Sexta-Feira Santa com beús e matracas, e, no sábado da Aleluia, assim chamado pelos antigos, rumorosa e festiva malhação dos Judas.

Neste tempo não se matavam os passarinhos, as baladeiras eram aposentas, não se cortava o cabelo, não se dançava, e por ai vai uma lista “nãos” e de proibições que ficaram em nossas memórias e funcionavam como o interdito da proibição e nos educavam para os limites da ética do pode e do não pode!

Do velho Pindar, um vizinho místico que se apresentava sempre como uma mistura de homem sábio, porém, dados aos vícios, sobretudo, com seu “pau ronda”, uma espécie de cigarro artesanal, feito à base de fumo natural, desde velho senhor que sempre me contava que se alguém passasse na Sexta-Feira Santa perto de um cemitério, iria ver algum morto caminhando, além disso, durante toda sexta-feira da Quaresma pontificada o velho místico, não se podia sair à noite que poderíamos ver o lobisomem.

Por sua vez dona Gregorina arregalava seus olhos cinzentos para me alertar: “dançar, só até a meia noite da quarta-feira de cinzas, se passasse disso, agente poderia ver o demônio. Recordo-me que ela me dizia assim: “pula, pula até meia noite, porque depois o diabinho aparece”.

Com o avanço dos dias findava-se a Quaresma, e chegava a Semana Santa, tempos dos “jejuns”, cada vizinho praticava uma solidária troca de dons, quem tinha farinha em abundância trocava por ovos que por acaso vinha a faltar em sua cozinha, e assim por diante, pratica que desapareceu em nossos dias!

A sexta-feira santa, mais que qualquer outro dia era um dia pitoresco e de imaginação popular. Por exemplo, quem da minha idade ou para além dela já não ouviu pelas rodas de conversa em Batalha em tempos de Semana Santa que: Em sexta-feira não se corta unha, porque “faz unheiro” ou “dá dor de dente” ou “dá inflamação nos dedos”. Às crianças em tal dia, “só a madrinha pode cortar as unhas”. Na Sexta-Feira da Paixão não se varre a casa – porque “faz mal”; porque “se varre os cabelos de Nosso Senhor”, “Não se corta nem se chupa cana” – alusão talvez à cana que serviu de cetro a Cristo. Ou ainda que “Na sexta-feira santa não se deve viajar” – “faz mal”, “é perigoso”; “acontece desastre”. Também em tal dia, “não se deve fazer a barba”;  “não se deve emprestar sal”; “não se deve olhar no espelho “– é agouro “Quem ri na sexta-feira chora no domingo.”

Era comum ouvi também que na Sexta-Feira da Paixão – isso escutei de Dona Anaídes, beata das antigas que “Marias não podem cortar o cabelo”; e “também não podem pentear-se, porque” Maria Santíssima não se penteou.

Essas crendices que giram em torno da Quaresma são resultados de invenções populares e até mesmo do fanatismo de alguns fiéis ao longo dos anos. Podemos dizer que não havia em si proibições, havia orientações, mas o povo radicaliza às vezes.

Quaresma, quando menino eu não sabia, não é não pode isso ou aquilo, é um período de sobriedade, de recolhimento. Existe um monte de crendices, mas isso não tem nada a ver com o Cristianismo, são coisas que nasceram paralelas. Que bom que não sabia, pois isto em favoreceu a vivenciar um ambiente de mistério numa cidade pitoresca do interior!

Mesmo sendo crendices, fantasias ou lendas, o fato é que em tempo de Quaresma havia um “clima” que se sentia mais, é claro que havia os exageros das observâncias reduzindo por vezes este tempo bonito e de crescimento espiritual às crendices e proibições, porém, ajudavam a perceber que não era um tempo comum como os outros, pois tinha o seu diferencial, alguma coisa mudava nos costumes e na viva da comunidade, era como um rito de passagem!

As proibições e alterações de comportamentos apontavam para algo que se esperava, e é exatamente isto que falta à nossa cultura atual, que reduziu tudo ao racional, ao pragmático, ao que se pode ter resultado calculado, muito perdemos do dinamismo mítico das crendices.

É claro que o Evangelho não prega estas observações que são dados da cultura, e sem dúvidas de uma religião que apostava no medo, não se pode negar isto sem dúvidas, porém, pelo outro lado dava uma cadência mística ao tempo e fazia perceber o novo que estava para acontecer, ou seja, a Páscoa que renova as esperanças na força do Senhor que tudo vence, inclusive a escuridão da morte e irrompe com o aleluia da vitória sobre as estruturas do pecado!

Em Batalha a Quaresma sem dúvidas era marcada por este tempo de ambigüidades, de ritos e de crendices. Recordo-me de vivenciar um clima tão mítico e ao mesmo tempo tão místico incentivava a prática de orações, rezas, benzeções, crendices – coisas que davam vida e fortaleciam a cultura popular. Mais do que isso, aumentavam a presença da imaginação criativa e de seus efeitos pitorescos no dia-a-dia local, em uma época muito peculiar do calendário religioso.

De um modo geral, a urbanidade e o anseio por modernidade estão extinguindo o sentimento especial que cobria de nebulosidade mágica e de muito mistério o tempo da Quaresma em Batalha.

Hoje, a tecnologia devassa tudo, mostra até o avesso das casas dos becos mais retorcidos e escuros.

Daí, então, a mítica deste tempo místico desapareceu no batalhense atual. Sobrevive apenas na lembrança daqueles que já estão esgarçando a memória a caminho do esquecimento.

Sou ancorado nas minhas lembranças vez por outra me dou o direito de visitá-las e, neste tempo de Quaresma me recordo dos meus tempos de meninos a subir e descer o patamar, fazendo vias-sacras pelas ruas, cantando benditos e vivenciando ainda que amedrontado o tempo do roxo quaresmal!Com crendices e talvez com um pouco de exageros, mas sem dúvidas, éramos felizes, que saudade!

Pe. Leonardo de Sales.

Juiz do Piauí manda tirar Whatsapp do ar no país inteiro

Uma decisão judicial pode tirar o Whatsapp do ar em todo o país. O juiz Luiz Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina (PI), determinou que uma empresa de telefonia "suspenda temporariamente até o cumprimento da ordem judicial (...), em todo território nacional, em caráter de urgência no prazo de 24 horas após o recebimento, o acesso através dos serviços da empresa aos domínios whatsapp.net e whatsapp.com, bem como todos os seus subdomínios e todos os outros domínios que contenham whatsapp.net e whatsapp.com em seus nomes e ainda todos números de IP (Internet Protocol) vinculados aos domínios já acima citados". A decisão do juiz Luiz Moura Correia é ainda mais ampla. Ele diz que a empresa de telefonia deve "garantir a suspensão do tráfego de informações de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros de dados pessoais ou de comunicações entre usuários do serviço e servidores da aplicação de trocada de mensagens multi-plataforma denomidada Whatsapp, em que pelo menos um desses atos ocorra em território nacional". O processo corre em segredo de Justiça. A empresa de telefonia luta para cassar a decisão, tomada pelo juiz Luiz Moura Correia em 11 de fevereiro, antes de ser obrigada a cumpri-la. A empresa de telefonia foi comunicada da decisão de Moura Correia em 19 de fevereiro por meio de um ofício do delegado Éverton Ferreira de Almeida Férrer, do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.

Felipe Santolia é transferido para penitenciária e tem a cabeça raspada

O ex-prefeito de Esperantina, Felipe Santolia, foi preso na tarde de ontem, terça-feira (24) após a audiência de instrução e julgamento da ação penal que apura a utilização de quase R$ 1 milhão de reais em notas fiscais falsas.

Felipe foi encaminhado para uma das celas da Delegacia de Esperantina e depois foi transferido para a Penitenciária Luiz Gonzaga Rebelo.

Já na penitenciária, Felipe teve a cabeça raspada. Confira imagem abaixo:

Foto: GP1

Ex-prefeito de Esperantina, Felipe Santolia é preso dentro de fórum

O ex-prefeito de Esperantina, Antônio Felipe Santolia Rodrigues, foi preso  dentro do fórum do município após participar de uma audiência às 15h desta terça-feira (24). De acordo com o delegado regional Igor Gadelha, a prisão é referente a um mandado de prisão preventiva em aberto expedido contra o ex-gestor em dezembro de 2014, pelo juiz Ulysses Gonçalves da Silva Neto.

"O mandado de prisão é referente a um processo de 2009 na Justiça por apropriação indébita previdenciária. Fomos informados de que ele estava na cidade e iria participar de uma audiência sobre outro processo. Os policiais constataram a presença dele e deixaram a audiência transcorrer normalmente. Ao final do interrogatório foi dada voz de prisão para ele pelo delegado Maycon Kaestner, de Luzilândia", explicou o delegado.

Igor Gadelha acrescenta ainda que cerca de seis pessoas que acompanhavam o prefeito tentaram impedir o trabalho da Polícia e provocaram um tumulto no local. "Como ele tem muitas pessoas ligadas a ele no município e tivemos a preocupação de haverem outras manifestações, pedimos logo sua transferência e ele foi levado para o presídio", acrescentou o delegado.


A audiência desta terça-feira (24) era referente a outro processo ao qual o ex-prefeito responde sobre seu período na gestão municipal.

O promotor de Esperantina, Sérgio Reis Coelho informou que Santolia responde a cerca de 30 processos envolvendo crimes de improbidade administrativa, ação penal e processos da justiça federal.

“Havia uma prisão preventiva decretada por apropriação indébita previdenciária, além da acusação contra o ex-prefeito por obstrução da justiça, dificultando em localizá-lo”, disse o promotor.

Santolia foi preso ao participar de audiência em que é acusado de desviar com notas fiscais falsas R$ 800 mil. Cidadevede.com

Prefeita manda demolir prédio escolar na zona rural do município de Batalha

Em um País com mais de 13 milhões de analfabetos, sendo que o Piauí é o terceiro pior resultado do país (19,7%), perdendo apenas para Alagoas e o Maranhão, a demolição de escolas públicas era tudo que um prefeito (a) não deveria fazer. Mas foi justamente o que fez a prefeita do município de Batalha, Teresinha Lages (PSB).

A gestora aproveitou o feriado de Carnaval e autorizou a demolição de um prédio escolar que fica situado na localidade “Alto Vermelho”, na zona rural do município. O mais grave é que a “demolição” do prédio foi feita sem autorização da Câmara e sem o aval dos moradores da comunidade.

O prédio escolar atualmente estava desativado, mas estava servindo para a realização de reuniões dos munícipes da referida localidade.

Informações dão conta ainda que o material do prédio foi doado para uma pessoa também de forma irregular, pois precisaria de uma autorização do Poder Legislativo.
 Fonte: Blog da Vereadora Shammara

Ponte continua com cratera em Batalha

O site Diário de Caraíbas volta a denunciar sobre o buraco na ponte da Rua Capitão Amaro Machado, e também para alerta sobre o perigo para quem trafega diariamente pelo local.

Com período chuvoso o buraco tem aumentado consideravelmente de tamanho, na manhã desta segunda-feira (23/02) aconteceu um incidente com uma vaca no referido local, um acidente que poderia muito bem ter acontecido com uma pessoa e causado sérios problemas.


Mais por sorte ninguém caiu até agora na ponte e se caiu foi da ala política da prefeita e ficou calado.


Em novembro do ano passado em uma Sessão na Câmara Municipal de Batalha a Vereadora Shammara Maria (PR) fez um indicativo, que foi aprovado pelos vereadores, solicitando a recuperação da ponte, porém, até agora nada foi feito.


Voltamos a ressaltar nesta matéria que a cratera na ponte teria sido aberta no dia 21 de março de 2014 no momento em que um caminhão trafegava pelo local, isso nos leva a crê que se a ponte não for reformada mês que vem a cratera faz aniversário de um ano.


A prefeitura municipal fecha os olhos para a situação, fazendo descanso e desrespeito com o cidadão batalhense que faz o uso diário daquela via, que da acesso a duas escolas situadas na mesma rua.


A prefeitura alegou em nota que iria refazer a ponte, porém até a manhã de hoje nenhuma sinalização sequer como medida de segurança foi feita no local.


Vale ressaltar que a única coisa que sinaliza o local são uns pés de mamona que nasceu no local.


Cabe a nós, cidadãos batalhenses fazemos uma campanha para mudar a situação para tirar o buraco de Batalha, ou seria Batalha do Buraco?


Veja abaixo imagens feita pelo colaborador Mauro Robert;





Com informações do Facebook do Batalha Show
Fotos: Mauro Robert 
Texto: Arnaldo Francisco

O patrimônio batalhense – Novo artigo de Cleiton Amaral

Quem leu o artigo de Padre Leonardo de Sales admira, elogia ou o critica por ser um saudosista de tempos que não irão voltar, dizendo que ele é uma pessoa fora do seu tempo. Será isso mesmo?

O filósofo Francês “Michel de Certeau”, ao referir-se sobre a relação existente entre tempo e patrimônio, diz que se não conhecemos o passado, não nos sentimos personagens da história presente, divididos entre a “amnésia e a vontade de nada esquecer” perdidos em nosso próprio espaço, sem uma identidade com nossos valores e significados.

Valores e significados que para o povo Batalhense está no patrimônio arquitetônico da Igreja de São Gonçalo e também na marca que fica na memória de cada um dos cânticos, leituras e sermões que já leu, cantou e ouviu.

É o patrimônio das casas, praças, avenidas, mas também o patrimônio das conversas, festas, leilões, novenas que fazem reunir uma cidade como uma única família.

 É o patrimônio que está nos livros e documentos e também nas melodias das alvoradas, das brincadeiras de carnaval, festas de agosto e dezembro, nos bate-papos da porta de casa e dos bancos das praças.

É o patrimônio dos Casarões das fazendas e, também, do rugir dos engenhos, dos aboios dos fazendeiros, dos cantos de cordel, das histórias da “boquinha da noite”.

É o patrimônio natural do rio Longá, do rio dos Matos, dos férteis brejos e também o patrimônio das histórias de pescador, de vaqueiro, das lavandeiras, das visagens, dos milagres.

Será, então, que Padre Leonardo de Sales é uma pessoa fora do seu tempo? Afirmo, categoricamente, que NÃO. Ele vive o presente exatamente porque tem consciência de um passado e vislumbra um futuro num ambiente de paz e harmonia dentro do seu espaço e junto com o seu povo.

Situação que deveria ser presente na mentalidade de cada Batalhense a fim de não deixar que a nossa história se perca. Conhecer o passado para termos consciência de que somos o resultado de uma construção temporal, lógica. O que somos hoje ou iremos ser no futuro tem um significado e um sentido que, só podemos guia-lo, se tivermos consciência de que ele existe e somos personagens dele.

O mundo da tecnologia e da globalização nos fascina com as novidades fazendo parecer, como no carnaval, que somos uma única cultura universal. Embora seja inevitável nos inserirmos nessa onda do global, não podemos esquecer de que somos elementos de uma história comum compartilhada com nossos irmãos dentro de um espaço, em um determinado tempo. Batalha possui essa envolvente história e um patrimônio histórico quase infinito que sobrevive nas suas casas, igrejas, fazendas, documentos e, principalmente, no povo Batalhense.

Cleiton Amaral Rodrigues – Professor, Historiador e Mestre de Cerimônias.

Ministro diz que Nordeste não terá racionamento de energia

Na tarde desta sexta-feira (20/02), estiveram presentes no município de Barras, para inauguração da subestação de energia elétrica, o Ministro das Minas e Energia, Eduardo Braga, o presidente da Eletrobras Distribuição Piauí, o maranhense Marcelino Cunha, o governador Wellington Dias, a vice-governadora Margarete Coelho, além do deputado Júlio César, do deputado Georgiano Neto e demais autoridades, que foram recepcionadas pelo prefeito de município Edilson (Capote).

Em sua fala, o ministro disse que a obra é um passo importante para o desenvolvimento de Barras, haja vista seu potencial, além da cidade fazer parte da nova fronteira energética do Piauí e descartou qualquer tipo de racionamento de energia no Nordeste. O Governador Wellington falou que em suas viagens à Barras eram constantes as cobranças dos barrenses com relação à qualidade na energia barrense.

Já o presidente da Eletrobras Distribuição Piauí, Marcelino Cunha, disse que no Piauí a fiscalização com relação ao desvio de energia e uso ilegal de aparelhos, como transformadores, será bastante rigoroso. O prejuízo está sendo enorme e quem for pego fazendo esse tipo de atividade ilegal, vai ser preso. Já existe uma parceria com a GRECO para que operações sejam intensificadas em algumas regiões do Estado.180graus

Piauí desperdiça 52% de água tratada, antes de chegar às torneiras

O Piauí desperdiça 52% da água tratada antes mesmo de chegar às torneiras dos consumidores. A informação é do Ministério das Cidades, após estudo realizado em 2013. A pesquisa revela ainda que o estado aparece como o 8° do Brasil em desperdício de água nas residências. A pesquisa aponta que o ideal é que o desperdício fique abaixo de 20%.

A principal causa do desperdício da água que não chega ao consumidor é o vazamento em adutoras, redes, ramais, conexões e reservatórios da prestadora de serviço responsável pelo abastecimento.

O superintendente Metropolitano da Agência de Águas e Esgotos do Piauí (Agespisa), Orlando Ayres, admite que o sistema da empresa é velho, principalmente no centro de Teresina. "Nós temos redes com mais de 40 anos. Parte foi substituída, outra parte ainda não, principalmente os ramais", explica.

Entretanto, o superintendente culpa ainda as ligações clandestinas realizadas na cidade. "As perdas e desperdícios que temos é a diferença entre o que nós produzimos e o que nós faturamos, o que tem sua parcela de vazamentos, mas também perdas de faturamento, que acontece, em sua maioria, devido às ligações clandestinas, os desvios, os famosos gatos", aponta.

O Piauí produz, em média, 250 milhões de litros de água por dia, mas o faturamento é feito apenas sobre 116 milhões de litros, revelando o desperdício de 52,03% do volume na distribuição. 

Cultura do desperdício

O Ministério das Cidades também apontou que o consumo de água por pessoa também aumentou em relação ao ano anterior. Cada habitante piauiense consome 166,3 litros por dia. A média do desperdício é:
- Torneira gotejando: 46 litros/dia
- Escovar os dentes por 5 minutos com a torneira aberta - 12 litros
- Lavar louça com torneira aberta - 110 litros
- Lavar carro com mangueira - 560 litros / 30 minutos
- Lavar calçada com mangueira - 280 litros
- Banho de 15 minutos com chuveiro elétrico - 144 litros
Ministério das Cidades

Diário de Caraíbas lança novo aplicativo sobre Batalha/PI

O site Diário de Caraíbas acaba de lançar um novo aplicativo que conta a História e as Culturas de Batalha/PI.

O aplicativo “Batalha: História e Cultura” está disponível para download em Android, IOS, Windows Phone e Firefox.


Nele você encontra o Hino de Batalha, fotos, culturas, história, pontos turísticos e festas tradicionais. 

Para baixar o aplicativo clique no link ~> http://app.vc/batalha
 
Veja abaixo como baixar o aplicativo:


E veja como instalar:


Baixe já e conheça melhor a História e as culturas da cidade de Batalha.

Goleada marca primeira rodada do 9º Campeonato Pubeiro de Areia

Com dois jogos pelo grupo A o 9º Campeonato Pubeiro de Futebol de Areia, teve início na manhã do ultimo domingo dia 15 no campinho do assentamento Laureana Batalha-Pi
 
A abertura do pubeiro de areia foi marcada por uma estupenda goleada do time da localidade Catombo sobre o time Novo Rei do assentamento Laureana.

As 7h30m jogaram Palmeiras da localidade Pacas que perdeu de 1 a 2 para o time Novo Horizonte da localidade quilombola Carnaúba Amarela. O Novo Horizonte marcou com pequeno e Neguinho. O Palmeiras descontou com Toinho.

As 8h20m o Catombo ( foto) aplicou uma goleada de 9 a 3 sobre o Novo Rei, marcando com Netinho, Orlando, Urbano, Celio (três vezes) e Carlos Alberto (três vezes) . O Novo Rei descontou com Erculano e Arilson (duas vezes ).

No próximo domingo, dia 22, serão realizados jogos do grupo B, às 7h30m jogam Verdes Campos da localidade Capitão de Campos X Juventude do assentamento Laureana. O Juventude é o atual campeão. E às 8h20m tem Flamengo do assentamento Laureana X Avascoazinho do assentamento Anajazinho.

A realização da competição é da Sub Liga Esportiva da Região da Puba – SERP.

Colaboração: Raimundo Feitosa

Jovem morre afogado no Caldeirão nesta sexta-feira - 13

Um afogamento registrado nesta sexta-feira, 13, no açude Caldeião, em Piripiri. Ele foi tirado das águas por um pescador, após um amigo da vítima que estava em terra alarmar por socorro.
Segundo informações, Rafael Augusto Santiago, 19 anos, é natural de Capitão de Campos e foi ao Caldeirão com um amigo de Piripiri, Mazin, que estava bastante abalado após a fatalidade.


Fonte: PiripiriRepórter.com

Banco do Brasil é condenado em Batalha a indenizar cliente

A juíza Lidiane Suely Marques Batista, titular da Comarca de Batalha, condenou o Banco do Brasil a pagar R$ 3.000 a uma senhora que teve dinheiro retirado indevidamente da conta.

De acordo com os autos, a senhora MARIA JOSÉ DA CONCEIÇÃO NETA possui conta no Banco do Brasil do município de Batalha, e no dia 27 de dezembro de 2008, ela dirigiu-se à agência bancária da instituição em questão e, ao imprimir o extrato de sua conta, verificou que em 22 de dezembro do mesmo ano foram efetuados dois saques por ela não reconhecidos: o primeiro no valor de R$ 550,51 e o segundo, no importe de R$ 449,49, quantias estas que totalizaram R$ 1.000,00 (hum mil reais).

A cliente procurou a administração do banco e informou sobre o ocorrido, não tendo, entretanto, obtido resposta ou orientação por parte da instituição. Ressalta, ainda, que procurou a gerência do banco-réu ao longo de três meses para tentar encontrar uma solução ao incidente, porém, sem obter solução pela via administrativa, razão pela qual ingressou na justiça, pleiteando o ressarcimento, em dobro, da quantia indevidamente sacada e a condenação do banco ao pagamento de indenização em danos morais.

O banco, por sua vez, contestou, levantando em suas alegações iniciais preliminar de carência da ação. Diz que a denúncia da autora é meramente aleatória, impondo ao réu um culpa que não lhe é devida. Argumenta que a senha e o cartão são de uso pessoal e intransferível e que o Banco se revestiu de todos os meios necessários para evitar fraude, não havendo ilicitude em sua conduta.

A instituição bancária informou ainda que em razão do decurso do tempo, não há mais fotografias do momento de realização do saque questionado pela autora e que, por considerar que o saque foi legítimo, não abriu procedimento administrativo para apuração de uma suposta fraude.

Ao analisar o caso, a juíza determinou a devolução dos R$ 1.000,00 (hum mil reais), além do pagamento de R$ 2.000,00 (dois mil reais) a título de reparação moral, corrigidos desde a data dos saques indevidos e com juros de mora de 1%.

A sentença foi publicada no diário da Justiça desta quinta-feira (12).

Fonte: Folha de Batalha

Operação Carnaval da PRF fará bafômetro em todo o Piauí

A Polícia Rodoviária Federal inicia na próxima sexta-feira, 13, a Operação Carnaval 2015. Durante o período das festas de Momo, a PRF modifica o planejamento das ações realiza desde o dia 12 de dezembro, dentro da operação Integrada Rodovida e adapta a fiscalização para as características do trânsito no período carnavalesco até a quarta-feira de cinzas (18).

No Piauí, a intensificação da fiscalização se dá já nesta segunda-feira (09). As unidades do interior do Estado já estão orientadas a reforçar o combate ao excesso de velocidade, ultrapassagens perigosas e embriaguez. "A antecipação faz parte de uma estratégia de posicionamento das viaturas antes do deslocamento do folião no Piauí, com o objetivo de reduzir acidentes e levar sensação de segurança às pessoas e tem dado certo aqui no Estado", destacou o inspetor Fabrício Loiola do núcleo de comunicação da PRF.


Um dos principais focos da PRF é a ingestão de álcool pelos condutores e por isso a fiscalização será com etilômetros em dias, horários e locais onde já foram registrados mais ocorrências de acidentes em anos anteriores.


"Historicamente, o Carnaval é o período mais crítico do calendário de operações da PRF, ao lado do Natal e Réveillon. Porém, é mais violento em decorrência do uso abusivo de álcool. Por isso, um dos principais focos da PRF será a fiscalização com etilômetros. Informações fornecidas pelo setor de estatísticas como dias, horários e locais em que há mais ocorrências de acidentes subsidiam o planejamento para o posicionamento estratégico das viaturas e a definição de comandos específicos", justifica o inspetor.


Em janeiro de 2014, houve 236 acidentes nas BR's do Piauí e um ano depois foram 194, representando uma redução de 17,79%.


Todas as viaturas com etilômetro


Todas as viaturas de serviço estarão equipadas com medidores de alcoolemia. Por isso, a fiscalização de embriaguez nas rodovias federais poderá acontecer a qualquer momento e durante qualquer abordagem em que haja suspeita por parte do agente fiscalizador. A Operação Integrada Rodovida prevê, ainda, a fiscalização simultânea por parte dos diversos órgãos de trânsito, cada qual nas vias de sua circunscrição.


É importante lembrar que, após as mudanças na Lei Seca, não existe mais tolerância para a quantidade de álcool no organismo de quem dirige. Qualquer traço etílico verificado é suficiente para o motorista pagar uma multa de R$ 1.915, ter a carteira suspensa e ser impedido de seguir viagem.


Durante o período do carnaval o foco da PRF continua sendo nas condutas responsáveis por elevados índices de letalidade. Por isso, além da embriaguez ao volante, os esforços de fiscalização estarão voltados para coibir o excesso de velocidade, as ultrapassagens proibidas e o não uso do capacete. 


Fonte: Cidade Verde

Dois homens são mortos a tiros em Piracuruca

Dois homicídios foram registrados na cidade de Piracuruca, que fica a 40km de Piripiri, no final da tarde e inicio de noite, de hoje, sábado (07).

De acordo com o site piracurucaagora, o primeiro deles aconteceu no Bairro Esplanada, próximo à antiga Estação Ferroviária.

Segundo informações de populares, Domingos Junior Meneses Marques, vulgo Júnior Pezão, estava jogando futebol próximo de sua casa, quando foi surpreendido por dois homens em um carro não identificado, sendo que um deles armado efetuou vários disparos.

O outro crime foi registrado por volta das 18h30min, no Bairro de Fátima, próximo ao Ginásio Poliesportivo.

As primeiras informações dão conta que um homem de nome Toinho do Genésio, estava em sua residência, quando um homem se aproximou da casa e efetuou vários disparos de arma de fogo.

A Polícia do município investiga os crimes. 
Por:Piracuruca agora

Rio Longá continua bastante seco em Esperantina

Mesmo com as fortes chuvas que caíram durante esta semana na cidade de Esperantina, o Rio Longá continua bastante seco.

Para se ter uma ideia, em alguns locais do majestoso Rio Longá, é possível caminhar normalmente pelo seu leito.

O fato que chama bastante atenção para o nosso majestoso Rio Longá se encontrar nesta situação além da falta de inverno intenso, é justamente em razão de que dezenas de proprietários de açudes da região fazem a retirada de agua sem controle do mesmo.

Bom seria mesmo se os Promotores do Ministério Publico, ou algum órgão ligado a Secretaria de Meio Ambiente do estado realizassem uma fiscalização rigorosa neste tipo de atividade no município.

A informação precisa de que a agua vem sendo usada de forma abusiva em alguns desses açudes.

jornalesp.com

“Saiam de São Paulo porque aqui não vai ter água”: a espantosa sinceridade de um diretor da Sabesp

O diretor metropolitano da Sabesp, Paulo Massato Yoshimoto, é um espécie de grilo falante de uma empresa cheia de segredos. Foi ele quem admitiu, nesta semana, a adoção de um rodízio “muito drástico” na região metropolitana e a formulação dos dois dias com água para cinco dias sem.
 
Esta seria a solução “no limite”. No ritmo atual, o volume disponível para captação no Sistema Cantareira deve se esgotar em março e a terceira cota de 41 bilhões de litros do volume morto termina em maio.

Massato está há cerca de dez anos nesse cargo (entrou na Empresa Paulista de Planejamento Metropolitano, Emplasa, em 1975). Foi assessor de um irmão de Alberto Goldman, ex-governador. Entre 1996 e 2003, segundo o site da estatal, gerenciou “programas de redução e controle de perdas, entre outras coisas”.

Em fevereiro, falou publicamente em racionamento para em seguida recuar, sob o argumento de que seria prejudicial aos mais pobres. Três meses depois, na CPI na Câmara Municipal, advertiu os presentes de que, se a crise piorasse, iria distribuir água com uma canequinha.

Massato é um quadro importante na companhia. Foi cotado para suceder a presidente Dilma Pena, que saiu em dezembro. Perdeu a corrida para Jerson Kelman.

Numa reunião da diretoria da Sabesp do ano passado, cujo áudio vazou, ele deu sua declaração mais sincera sobre o caos que se avizinha em São Paulo.

“Essa é uma agonia, uma preocupação”, começou. “Alguém brincou aqui, mas é uma brincadeira séria. Vamos dar férias. Saiam de São Paulo porque aqui não tem água, não vai ter água para banho, para limpeza da casa, quem puder compra garrafa, água mineral. Quem não puder, vai tomar banho na casa da mãe lá em Santos, Ubatuba, Águas de São Pedro, sei lá, aqui não vai ter”.

Com seus atos falhos, Paulo Massato é, provavelmente, a única pessoa a contar a verdade nessa tragicomédia. A questão é que sua fidelidade ao governo é maior do que o dever de atender a necessidade da população. Mas algo sempre escapa. Por Tânia Monteiro

Colisão entre carro e moto deixa duas pessoas gravemente feridas em Esperantina

Um grave acidente ocorrido por volta das 16h30min da tarde desta quinta-feira, (05/02), deixou dois jovens gravemente feridos em Esperantina. O acidente aconteceu nas imediações do Cais.

De acordo com informações repassadas por testemunhas ao jornalismo da RevistaAz, o veículo modelo Gol, de placa ODY-0878 de Teresina, colidiu bruscamente contra uma motocicleta modelo CG Honda que era conduzida por um casal de jovens, sendo um deles menor de idade. As vítimas foram identificadas por Cídia que é maior de idade e o adolescente identificado por Aírton, ambos residem no bairro Carraspanha.

O motorista do veículo, que não quis ter a identidade revelada, disse que não teve culpa do acidente. Segundo ele, seu veículo vinha em baixa velocidade, da Avenida São José, sentido Praça Leônidas Melo e no cruzamento do balão do Cais, os jovens atravessaram na sua frente sem ter tido chance de frear, vindo a colidir na motocicleta.

Testemunhas relataram que, com forte batida, as vitimas foram lançadas por cima do carro. Os jovens tiveram várias escoriações e sangravam muito na região da cabeça. Nenhum dos ocupantes da motocicleta portava o uso do capacete. Já o motorista do carro, não teve nenhum ferimento e ficou no local do acidente. Muitos curiosos se aglomeraram no local.

Os socorristas do Serviço Atendimento Móvel de Urgência, o Samu, foram acionados. As vitimas foram levadas às pressas para o setor de urgência do Hospital Regional Dr. Júlio Hartman para os primeiros cuidados médicos.
Kléber Oliveira, da RevistaAz

Sindicato divulga nota referente a entrevista de Dr. Antônio Lages

O Sindicato dos Servidores Públicos Municipais – SINDSERM – divulgou nota contestando as declarações do secretário de educação do município de Batalha, Dr. Antônio Lages, à Rádio Meio Norte FM de Esperantina na última sexta-feira (30), quando o gestor disse que a prefeitura reajustou os salários do professores e que não deve mais nada.
 
Confira a nota na íntegra:

Vimos por meio do presente esclarecer que o que foi dito em entrevista na Rádio Meio Norte FM em Esperantina na última sexta-feira, 30 de janeiro sobre a atualização do PISAN não é verdade.

O que se entende por atualização é quando todos os professores são contemplados com o reajuste, ou seja, quando o professor classe “A” nível “I”, recebe o percentual do reajuste, o mesmo é dado as demais classes e níveis, respeitando a escolaridade e o tempo de serviços de cada professor. O que aconteceu em Batalha foi que, como em 2014, a prefeitura apenas elevou para R$1,91700, o salário de todos os professores que em janeiro estivessem com remuneração inferior ao PISAN, ou seja, reajustou somente a classe “A” do “I ao IV” e a classe “B I”.

É também falta da verdade dizer que não deve mais nada, que já pagou tudo! Pergunto? Quem já recebeu abonos férias 2014? Quem já recebeu diferenças do PISAN 2014? Quem já recebeu 100% das faltas injustas da GREVE LEGAL de 2013? Quais Agentes Comunitários de Saúde e Agentes Comunitários de Endemias já receberam o PISAN 2014 dado pelo governo federal desde junho de 2014?

É lamentável que um representante da Prefeitura de Batalha, por sinal (sem portaria) utilize um meio de comunicação com a credibilidade da Rádio Meio Norte para divulgar informações falsas quanto aos pagamentos dos servidores municipais, criando um clima de hostilidade entre a sociedade batalhense que acredita que tudo está resolvido e os servidores públicos municipais que não receberam nenhum reajuste salarial.

Para ter a certeza se é verdade ou o que dizemos é verificar no contracheque dos professores Classe “A” níveis “V a VII”, Classe “B” Níveis “II a VII”, Classes “C e D” completas. O mesmo de dezembro de 2013 foi pago em janeiro de 2015.É justo afirmar em rede de rádio e anunciar em carros de som nas ruas da cidade que está tudo resolvido? Deixando a entender que a categoria está reclamando sem razão ou deturpando a verdade como também já foi dito pela prefeitura de Batalha?

Servidor, a luta continua e a sociedade batalhense sabe a verdade, não é preciso andar muito bastar olhar ao seu redor. Vamos vencer por que a verdade, a justiça e a honestidade sempre vencem. Podemos até perder uma batalha, mas não perderemos a guerra, vamos lutar juntos até o fim e a vitória será nossa pois o Deus que pode tudo está com os injustiçados e no coração dos justos, dos que o temem e o guardam como ser soberano.

Prof. Nonato Silva
Presidente SINDSERM BATALHA-PI

Governo prepara novo aumento na conta de luz para março

O governo está planejando mais um aumento na conta de luz neste ano, de acordo com informações do jornal “Valor Econômico” desta terça-feira (3).
 
Segundo a reportagem, o sistema de bandeiras tarifárias, em vigor desde o início de janeiro, vai sofrer ajustes. Por este sistema, o consumidor paga uma taxa diferenciada, que varia de acordo com o acionamento das usinas térmicas (mais caras e poluentes).

A presidente Dilma Rousseff deve analisar um decreto que aumenta em cerca de 50% o valor máximo da ‘tarifa extra’ paga pelos consumidores quando os reservatórios das hidrelétricas estiverem baixos.

Segundo o “Valor”, essa taxa deve subir dos atuais R$ 30 para cerca de R$ 45 por megawatt-hora (MWh). A expectativa é de que as novas tarifas comecem a valer em março.

O governo espera, com isso, resolver definitivamente os problemas financeiros das distribuidoras de energia, que não estão conseguindo liquidar seus contratos mensais.

No ano passado, o governo precisou recorrer a empréstimos de R$ 17,8 bilhões para socorrer estas empresas.

Fonte: UOL

Desabrigadas após incêndio, familias da Vila França relatam em entrevista seu maior sonho

Duas casas pegaram fogo por completo na Vila França e duas famílias ficaram desabrigadas em setembro de 2014. Os casais Francisco das Chagas Hilário (52 anos) e Francisca das Chagas Carvalho e Silva (43 anos), Homero Carvalho Hilário (21 anos) e Maria Larissa (19 anos) perderam tudo, moveis, eletrodomésticos e roupas. Por muito pouco ambos também não perderam suas vidas. "Foi muito rápido, só deu tempo de salvarmos nosso filho de um ano, estamos só com a roupa do corpo" falou desesperado Homero a nossa equipe horas depois do incêndio.

Ambos que após o incêndio foram alojados em caráter de emergência na sede da associação de moradores da Vila Esperança, continuam por não terem um lugar próprio para morar, há 6 meses no mesmo local. 

Nossa equipe retornou a associação após estes seis meses e presenciou a luta de ambas para realizarem o sonho da terem novamente uma casa própria.

"Recebemos varias ajudas da população, da prefeitura através do Prefeito e da Secretaria de Assistência Social, de alguns políticos e agradecemos de coração, mais queríamos voltar a viver sobre nosso próprio teto, esse é hoje nosso maior sonho, afinal uma hora vamos ter que sair daqui e o que mais nos doe é saber que não temos pra onde ir" afirmou uma das famílias.
"Estamos lutando todos os dias para realizar este sonho, e através das ajudas que recebemos e continuamos a receber acreditamos que será possível termos de novo um teto" falou o chefe de família.
Fonte: AgrandeBarras

Homilia de encerramento jubileu‏ – Pe. Leonardo de Sales

Saúdo-vos e agradeço-vos, amados irmãos e irmãs na fé, e no amor a este lugar, pela Igreja que somos. Estou com o coração pleno de alegria e com alma em festa por esta ocasião, voltar a minha terra e como sacerdote, proferi esta homilia nesta ocasião tão importante!

Reúne-nos nesta memorável tarde-noite no adro desta igreja a celebração de enceramento dos festejos do Glorioso São Gonçalo de Amarante e a não menos importante conclusão da festa do jubileu dos 200 anos da construção de nossa matriz!

Celebramos, com alegria e gratidão, este dia, quando há 200 anos, em 1814, numa placa no alto da torre postergava ao futuro a intuição de um grupo de portugueses que para edificarem a sua presença entre nós, pensaram logo em edificar uma Igreja, um templo, sinal visível de sua fé, de filhos da Igreja Católica, num contexto de colonização sem dúvidas, porém, faziam algo que estava para além de suas intenções, algo que se projetaria nos tempos. Escolheram este local para aqui erguer uma casa de oração, estabeleceram a sua sede e construíram a bela matriz de São Gonçalo! Sonharam com um “lugar síntese” das riquezas e do jeito de ser do povo batalhense para de lá recolher todas as lágrimas e alegrias de sua história: alto da matriz.

Hoje, 1º de janeiro de 2015, após  um ano de alegre e entusiástica celebração jubilar estamos aqui para agradecer a Deus por esta história de amor por nós!  Eu os convido todos a olharem por um instante a torre da matriz! Aqui se ergue a Torre, a mais alta e a mais bela, como Torre padroeira da Cidade de Batalha a apontar o Céu e a iluminar a Terra.

Ao olhar para a Torre da velha matriz, a Cidade vê-se melhor a si mesma. Ao subir à Torre, sonho de todo menino que nasce nestas terras, vê-se melhor, a partir do alto, o Mundo que nos rodeia. Ao entrar na Igreja agora bicentenária encontramo-nos com Deus e descobrimos como Deus nos ama, nos acolhe, nos fala e está presente no coração da Cidade da Batalha e na vida dos batalhenses.

Nossa origem vem de idos tempos, nascemos quando ainda nem existiam dioceses no Piauí, a 03 de junho de 1854, nascia nossa Paróquia, éramos ligados ao bispado de São Luís do Maranhão. Chegamos com a graça de Deus aos 160 anos de Paróquia e vivemos desde 2013 o bicentenário do nosso templo.

Vimos de longe. De longe, na história desta Igreja, a que o tempo deu tons e cores, formas e espaços, em vidas oferecidas por inteiro a Deus para servir o mundo. Queremos fazer memória de todos quantos nos legaram, em herança, o dom da fé e trilharam antes de nós o caminho do anúncio do Evangelho.

Recordo, hoje, e rezo por todos os que serviram e amaram a Igreja de Batalha.

Muitos pastores ilustraram nestes 200 anos o solium paroquial da Batalha. Os primeiros foram trazidos pelas caravelas portuguesas “tem – se notícias dos Padres Antônio Sampaio e Francisco Borges, em meados de 1797; Padre Francisco Borges, em 1803; Padre Domingos Dias Pinheiro, em 1804; Padre José Pontes de Menezes, em 1817; e os italianos Freis Apollônio de Mollineto e Lourenço do Monte Leone, “em incursão pela Serra da Ibiapaba passaram 21 dias pregando o Santo Evangelho de Deus” em terras batalhenses (in: Cartas Avulsas – caixa 2 – Poder Executivo – Arquivo do Piauí).

Não disponho de elementos históricos o suficiente para descrever os pormenores da história de nossa igreja, há pouca literatura, e dos poucos resquícios documentados devemos gratidão eterna ao historiador Milton Filho, nosso saudoso Miltinho, cuja paixão por esta terra de São Gonçalo, saia pelos olhos.

Esta igreja foi construída no período de 1794 a 1814, com auspícios financeiros do Coronel José de Miranda (natural da freguesia de São João Batista, Arcebispado de Braga – Portugal, filho de João de Miranda e Mariana Almeida. Veio de Portugal para a casa de seu tio, o capitão – mor Antônio Carvalho de Almeida, em Parnaíba.

O primeiro Pároco de nossa matriz só chegou aqui 40 anos depois “Com a sanção da Lei do governo da Província do Piauí, somente em 1854, foi instalada a Freguesia, com o reconhecimento do templo de Batalha como Casa de Oração, em 3 de junho daquele ano e, em 20 de agosto toma posse o primeiro vigário oficial, o Padre Antônio Simões de Moura, que apesar de tão fugaz governo teve o mérito de  implantar com sabedoria o arcabouço da administração paroquial.

A história preferiu gravar no coração de Deus o nome de tantos sacerdotes que passaram por esta paróquia cujos registros históricos são precários.

A história das letras no Piauí se recordam do Pe. Cirilo Chaves Soares Carneviva, inteligência aliada à capacidade que brilhou no clero piauiense até a década de 1930, que passou por estas terras também.

No período pré-conciliar, ou seja, antes de 1962, nossa paróquia fora confiada aos frades franciscanos capuchinhos, como deixar de mencionar ainda que de forma precária nomes que ficaram na memória de nossos pais tais como: Frei Conrado Maria de Palmásia, Frei João Francisco, Frei Solano, Frei Bruno, Frei Gregório, todos homens de cultura e de elegância espiritual e também Frei Serafim, que pela sua importância na evangelização da capital, a avenida principal de Teresina, leva seu nome.

Nomes como o do Pe. Antônio José Vieira não pode ser esquecido nesta festa, com ele recordamos também os padres: Oséias de Mesquita, Pe.Coutinho, Pe. Uchôa, Pe. Alencar.

Os que são mais velhos se recordam com gratidão do Padre Joaquim Guimarães, empreendedor que eletrizava a pequena cidade de Batalha, com suas iniciativas inéditas para a época.

Padre Sabino Dantas até hoje recordado, pois a ele se deve a letra do hino de São Gonçalo, que até hoje nos emociona e eleva nosso coração ao Céu!

Na linha dos 200 anos de história recordamos ainda a figura de ombros magros e altos do Pe. Francisco Bossuet de Sales vindo das terras de Buriti dos Lopes, silencioso e perspicaz, tem ele a glória de idealizar a construção de uma casa paroquial para acolher os futuros padres que por aqui a providência enviasse!

Sucedeu-lhe na condução do governo paroquial o Pe. Lotário Weber que chegou ao Brasil em 1963, em plena realização do Concílio Vaticano II, quando o sopro do Espírito de Deus soprava ventos novos sobre a Igreja e sobre a humanidade.

Pe. Lotário chegou à Batalha no dia 3 de agosto de 1982 para onde viera para ficar apenas um mês, e terminou ficando quatro anos, e, encontrou na Paróquia de São Gonçalo, uma realidade obsoleta, sem estrutura de vida paroquial, sem comunidades organizadas, sem ter pelo menos uma casa decente para o padre morar, o que ele rapidamente com zelo e com a colaboração de seus amigos e benfeitores alemães logo providenciou; organizou a vida pastoral, dinamizando as celebrações, atraindo os jovens, construindo centros catequéticos, quem não se lembra da catequese com slides, uma inovação para época, desenvolveu projetos sociais para socorrer os pobres e necessitados, tais como o marco de sua presença em Batalha o conjunto habitacional “Vila Kolping”, organizando e criando pastorais, dando grande assistência à zona rural, construindo capelas, investindo na formação dos leigos, no seu tempo o grupo de acólitos chegou ao número de 50 meninos, encaminhou jovens para a vida religiosa, além de convidar e favorecer a vinda das irmãs Filhas de Sant’ana para Paróquia de São Gonçalo. A ele eu devo a graça do meu Batismo, sob a minha cabeça no dia 30 de setembro de 1976, fazia deitar a água do Batismo, primeiros germes de minha vocação sacerdotal!

Na brevidade dessa homília não poderei, nem pretendo resumir a ação pastoral do querido Pe. Lotário Weber, mas tão somente quero ser grato pela sua passagem pela nossa Paróquia nesta ocasião em que fazemos memória dos rastos deixados pelos homens de Deus que governaram esta paróquia ao longo destes 200 anos de história.

Para dar continuidade ao trabalho pastoral o bispo da diocese de Parnaíba, dom Edivaldo Gonçalves do Amaral nomeou o Pe. Francisco de Assis Araújo Pinto viera das terras da Parnaíba de Nossa Senhora da Graça, alma forte em corpo frágil e delicado, zeloso apóstolo que conduziu por duas gestões a nossa paróquia, quem privava de amizade com ele sentia o inextinguível zelo nas coisas de Deus, implantou novos grupos de pastorais, fez adaptações na administração paroquial, conduziu o último projeto de restauração da imagem barroca de nosso padroeiro, São Gonçalo com auxílio da administração municipal de então, suas homilias até hoje ecoam nos telhados de nossa matriz, pequenino, frágil e doente, mas grande de alma e valente na defesa do Evangelho.

Deu grande ênfase ao trabalho pastoral, incentivou a formação dos leigos, é impossível entrar na igreja matriz e não se recordar do Pe. Pinto, pois a gruta dedicada a Nossa Senhora de Lourdes, tem o dedo de sua arte e de engenho, destacou-se ainda como grande professor!

Outro importante sacerdote que não pode ser esquecido foi Pe. Marlos Vieira Borges, nascido nas terras da Piracuruca, veio para Batalha, recém ordenado, aqui fora enviado por dom Joaquim Rufino do Rego, aqui foi a sua primeira paróquia. Jovem, silencioso, e pacato fez muito pela catequese com o apoio do casal missionário alemão Maria e Bernardo, a quem também devemos muito, cuja memória não pode ser esquecida nestes 200 anos.

Seria esta homilia incompleta se nela não fizesse menção agradecida ao querido, inesquecível e não menos incompreendido Pe. João Ladislau da Silva, profeta em tempos de urgência e testemunho da justiça do Evangelho nas terras de Nossa Senhora da Boa Esperança, quantas e quantas vezes não coube a este sacerdote solícito socorrer a nossa paróquia em tempos de carência de padres, nos festejos, semanas santas, ocasiões especial da vida paroquial, encontramos sempre nele um apoio incondicional, obrigado Pe. Ladislau pelo seu testemunho!

A nossa viagem na história continua agora com este 2º padre alemão o Pe.Wolfgang Johannes Hermann, nascido na cidade Bad Kreuznach em 14/05/1960, fora ordenado sacerdote para a diocese alemã de Trier em 1985, com 25 anos de idade, aqui em nossa paróquia fez muito, mais que construir espaços físicos, ajudou a edificar pessoas, sobretudo, os jovens a quem tinha grande amor pastoral, eu mesmo fui apoiado por ele e sua família  nos estudos do Seminário.

Dele alguém assim escreveu no blog da paróquia em 11 de abril de 2010 “Em sua missão na Paróquia de São Gonçalo procurou sempre fortificar todas as pastorais, depositando muita confiança e autonomia administrativa para os leigos. Tinha sempre respostas para todos os tipos de assunto, seja bíblico, científico, cotidiano. Seus sermões eram um destaque à parte nas Missas. Era tecnomaníaco, pois estava sempre à frente do nosso tempo e ligado às novas tecnologias.

Marcou a nossa paróquia na celebração do Grande Jubileu do ano 2000, com o projeto “arruma a mala, fora assassinado cruel e covardemente em Belém do Pará onde trabalhava, porém a sua memória será imorredoura que o diga nosso querido Nonato Silva, Reinaldo, Pe. Manuel, Wolder, Salatiel, Dudu da Madalena,e tanto outros cuja caridade não recorda os nomes, e sem dúvidas, eu mesmo! Obrigado Pe. Wolfgang receba no céu nossa admiração e reconhecimento pela sua passagem na história dos 200 anos da igreja de Cristo que está em nossa terra!Um dia nos encontraremos no céu!

Na sucessão do Pe. Wolfgang é nomeado o Pe. Evanilson, cearense, da terra do Quixadá, fez uma administração rápida e sem registros históricos que façam elevar a sua figura, ele assim como o Pe. Mário Menezes ficaram na memória desta paróquia como homens que não compreenderam o projeto da continuidade histórica das coisas, este último Pe. Mário Menezes, conduziu de forma errônea o projeto de adaptação da igreja paroquial às novas regras litúrgicas, nascidas do Concílio vaticano II, toda a destruição da beleza artística se deve à sua falta de sensibilidade, se hoje não temos conservada a nossa bela igreja barroca, se agradeça a ele e aos leigos de então que foram omissos na defesa do nosso patrimônio, a morte não canoniza atos irreparáveis, a eles o nosso respeito mas, também a nossa justiça histórica!

A história é dinâmica e criativa, segue seu curso apesar da mazelas humanas, Deus age na história e nas pessoas. Assim, chega à Batalha, mais um filho de Buriti dos Lopes, desta fez um jovem sacerdote, inteligente, estudara em Roma, esperto nas Sagradas Escrituras, trata-se da figura doce e magra do Pe. Clodomiro, que permaneceu pouco tempo, mas a durabilidade do tempo é precária, quanto se trata de lembranças, não se deixa vencer pela quantidade, mas pela qualidade, assim até hoje é fácil encontrar fiéis que tem ligação com este sacerdote ou que se recordam de sua passagem por estas terras de São Gonçalo!

Quis a história que o sucessor do Pe. Clodomiro, fosse um contemporâneo seu, o Pe. Bernardo, homem simples, apaixonado pela juventude, com uma visão de Igreja libertadora, durante o seu governo paroquial fez a organização das comunidades rurais de nossa paróquia, com as chamadas regiões pastorais, algo que deu certo, zeloso na pregação, atraiu muitos jovens para o a vida missionária da igreja local e com ele vivemos grandes temas missionários das festas de nossos padroeiros, tímido ao extremo, porém, acolhedor e de grande cultura teológica, primou pela paixão a uma causa, a ele o nosso respeito e admiração!

O bispo diocesano Dom Alfredo Schafer envia após um ano e cinco meses na Paróquia Nossa do Carmo em Piracuruca, para exercer o novo ofício de administrador paroquial da Paróquia São Gonçalo em Batalha, o jovem sacerdote Evandro Alves da Silva, o ano era 2009 e o dia o livro de tombo da velha matriz registra como sendo 07 de fevereiro.

Chegava à terra de São Gonçalo, um jovem sacerdote tímido e sem saber por onde começar, pois o campo era vasto e o trabalho imenso, consciente de seus limites e fraquezas, mais também cheio da pujança de sua juventude, o neo-levita é desafiado por todas as partes, fora nomeado para pastorear uma paróquia histórica, complicada e pobre de recursos, consola o coração do novo pastor a expressão viva da Fé do povo de Deus a ele confiado, pelo pastor dos pastores, Cristo Senhor!

Recebera o encargo de conduzir um rebanho imenso, comunidades pipocantes por todos os lados, distâncias enormes a serem percorridas, grupos, pastorais e movimentos diversos que necessitam ser revitalizados, pobreza dos meios de evangelização, veículo precário, como se deslocar para o serviço às ovelhas espalhadas pela extensão desse imenso rebanho? Perguntava-se o recém chegado padre, as perguntas eram mil, as repostas, zero! Aos poucos o Espírito Santo, vai apontando iniciativas, sugerindo caminhos e iluminando propósitos, não faltara a sua luz na condução de sua missão!

Não pretendo nesta homília esgotar os feitos do pastoreio do Pe. Evandro, ao longo destes cinco anos e seis meses, mas tão somente, provocar na comunidade gestos de gratidão a Deus pela passagem benfazeja deste servo de Deus entre nós, que cada um possa render graças ao Senhor por tudo o que foi feito!

Pe. Evandro mil obrigado ao senhor, pela sua passagem por Batalha, ela deixará marcar eternas entre nós, Deus recompense seu cansaço, suas noites sem dormir, seus anos passados entre nós, seu envelhecimento, seus cabelos brancos adquiridos antes da idade, pelo trabalhão que algumas ovelhas lhe deram, abençoe sua dedicação, sua coragem, enfim tudo o que fez, e que faria novamente com certeza, pela nossa comunidade paroquial.

A providência de Deus tem seus planos, que nenhuma inteligência ou plano humano pode sondar, assim quis a mesma providência que o encerramento desta festa jubilar recaísse sobre os ombros do Pe. Oscar do Nascimento Almeida, vindo das terras cearenses do Tianguá, recém chegado a esta Paróquia a ele cabe na criatividade do Espírito conduzi este rebanho bicentenário ao colo do Bom Pastor, cuidando para que nenhuma das ovelhas que lhe foi confiada se perca! Obrigado por aceitar o convite de está á frente de nossa paróquia e conduzir a conclusão deste jubileu. O que o senhor traz nas mangas da batina para o crescimento deste povo ainda não o sabemos, o tempo o dirá!

E hoje como somos quem é a Paróquia de São Gonçalo?

Vimos de longe. De longe, na diversidade das 86 comunidades, que constituem a nossa paróquia,

uma Igreja organizada, fruto do trabalho de muitos pastores zelosos e dedicados, estamos organizados em sete regiões pastorais, cinco setores urbanos, uma igreja que desponta para a missão, jovens engajados, temos a presença enriquecedora entre nós de uma comunidade religiosa, as Irmãs Filhas de Sant’Ana, dinâmicas e empenhadas na pastoral paroquial, inúmeros leigos que se empenham na ação evangelizadora, pedras vivas da Igreja, espalhados pelos 1.588,901 km, que compõe a nossa extensão territorial somos  25.774 habitantes, dos quais a maioria é maciçamente católico, o que não significa dizer que todos vivem segundo o Evangelho de Jesus, e os ensinamentos da Igreja, daí a sua imensa responsabilidade de nossa paróquia ajudá-los a fazer a experiência do encontro pessoal com Jesus Cristo!

Somos ricos em espiritualidade, amamos Nossa Senhora, a ela dedicamos 11 dos 31 dias do mês de agosto, quando fazemos uma bela festa em honra de Nossa Senhora de Lourdes.

Amamos também os santos e procuramos imitá-los, apesar de nossas misérias e limites, em todo o Piauí, somos conhecidos como a Terra de São Gonçalo, de fato, temos grande admiração por este ícone da Igreja portuguesa, que se tornou nosso padroeiro, o amamos muito!

Demos graças a Deus, que aqui nos conduziu e aqui nos congrega, à volta do mesmo e único altar da Eucaristia. A vida humana é uma viagem. E a vida das comunidades é um caminho no horizonte imenso da história, em cada tempoe em cada lugar. Assim acontece conosco, em nossa Igreja de Batalha.

Uma hora de gratidão

Na memória do tempo são muitos aqueles a quem devemos agradecer nestes 200 anos de história de nossa Igreja pelo bem que aqui se realizou em tantas vanguardas de missão da Igreja e por quantos o realizaram no decurso do tempo.

Hoje queremos rezar por todos e a todos lembrar. Mas hoje devemos também agradecer. Quero agradecer igualmente a todos sem citar nomes que se envolveram na celebração deste grande jubileu, cujos frutos estamos ainda por colher, mas que virão com certeza!

Esta celebração destina-se particularmente a vós. Aqui deixais para os séculos vindouros as marcas indeléveis do vosso talento, da vossa arte, do vosso trabalho honesto e dedicado. Convosco oferecemos melhor a Deus e colocamos no altar da Eucaristia os bens da terra e o fruto abençoado do vosso trabalho, para que juntos ao pão e ao vinho se transformem para nós em Pão da Vida e Vinho da Salvação.

A hora é de gratidão a Deus, que sempre nos acompanhou neste caminho de dois séculos; de gratidão a Maria, Mãe da Igreja, Senhora de Lourdes, nossa  Co-Padroeira, que nos faz testemunhas deste modo terno e materno de ser Igreja; de gratidão a quantos se entregam por inteiro à causa de Jesus e ao serviço da Igreja, em Batalha.

Um olhar para o futuro

Esta celebração, assim vivida, diz-nos que esta hora é advento do tempo futuro. “O cristão tem de fixar o seu olhar na realidade do futuro”. Com os pés assentes na terra, vivemos a esperança como certeza duma longa e bela experiência já feita e como desejo, diariamente renovado, de responder aos desafios do tempo presente.

Foram, no decurso do tempo, e serão sempre prioridades da Igreja de Batalha: o anúncio do evangelho, a celebração dos mistérios da nossa fé, a presença transformadora no meio do mundo, a acolhida alegre e a vida de nossas comunidades, a recepção dos sacramentos!

Ouvimos no Evangelho (Mc 8, 27-35)  como convém lembrar. Naquele diálogo entre Jesus e os seus discípulos, naquela afirmação de Pedro e na resposta do Mestre desvendado, renasceu o “templo”, transformado agora em Igreja de pedras vivas e congregadas pela mesma fé confessada. A Igreja nasce assim, com os que respondem com o apóstolo: “Tu és o Messias, o Filho de Deus vivo!”. A Igreja cresce também, no alargamento desta certeza, que o próprio Pai infunde pelo esclarecimento do Espírito.

A partir daqui, tanto padres como Religiosos ou Leigos, temos os indicadores para realizarmos, em conjunto, o mesmo projeto: uma Igreja que privilegia a verdade, que não faz conluios na madrugada, nem se cala diante das atrocidades cometidas sejam por quem quer que seja, mas prima pela fraternidade e a comunhão; uma Comunidade que acolhe, procura e anima quem anda perdido e abraça aqueles que encontra; uma Paróquia que não faz acepção de pessoas mas que, na justiça, privilegia os pequenos, os mais carentes, os mais pobres de amor, de companhia, de saúde e de pão.

Os grandes homens e as grandes mulheres – também os Santos – não se perdem em coisas menores, mas vivem, testemunham e anunciam o essencial. Com as virtudes narradas de sua vida São Gonçalo de Amarante aponta o essencial à nossa comunidade paroquial de quem ele é patrono, e convida-nos a construir, com profundidade, o nosso caminho missionário deste tempo novo, e a superar crises freqüentes nas relações entre pessoas. Aponta-nos a Fé, a Esperança e o Amor que procedem da paternidade divina.

É tempo de anunciar às pessoas o verde da esperança sobrenatural aos corações ressequidos de tanta gente que sendo embora religiosos não experimentam que o céu existe, mesmo que Deus não é uma idéia abstrata e inconsistente, mas a fonte de toda a realidade. É tempo de passarmos de um cristianismo reduzido tantas vezes a praticas religiosas inconseqüentes, de uma doutrina que mal se conhece e uma moral que os pagãos consideram desumana, é tempo de passamos de um cristianismo reduzido por alguns a uma terapia e a uma almofada psicológica para fugir da realidade para um cristianismo vivo no qual resplandece o mistério da vida, um cristianismo solidamente enraizado no mistério da Páscoa do Senhor.

Peço a Deus que nos ensine a audácia do evangelho e nos dê a força do Seu Espírito para vencer medos e rotinas e para ir ao encontro de todos, dos mais próximos e dos mais distantes, dos mais generosos e dos mais frágeis, cumprindo e realizando este sonho de Deus para a Igreja de Batalha.

Peço a Deus que a todos abençoe e nos inspire caminhos e modos de colocarmos sempre a Igreja de Batalha, fiel ao seu carisma fundador, ao serviço do povo de Deus, para o bem da Cidade e de todos quantos aqui procuram Deus e desejam sentir e conhecer a alma e a matriz cristã da nossa Cidade.

No segundo centenário da conclusão da construção da igreja matriz de São Gonçalo ergue-se nesta praça um lindo cenário. Desde 1814 lá no alto parece ser a ponta do compasso que risca nos horizontes distantes o círculo da grandeza de um povo, que aqui chegou quando aqui não era nada. Hoje nesta alegre e colorida festa quando o povo religioso da cidade acorre para agradecer a Deus a vida da Igreja batalhense este marco se torna a torre pontiaguda de imaginária catedral a bimbalhar místicos sinos de louvor e de aleluias, torna-se o ponteiro do infinito espantando as nuvens vadias faz o olhar humano alcançar a cerúlea beleza do céu!

Os que passam lá baixo pelo negrume do asfalto, ou mesmo os viajantes que se alongam em viagens ao transitar o espaço destas ruas e praças em torno dessa igreja vendo-a podem erguer o pensamento para o coração de Deus. È aqui no adro desta igreja bicentenária, feita de gente, não de pedra, que nos reunimos igreja bicentenária ao redor do pastor maior: Cristo Jesus, para lhe com a voz exultante do salmista: “Quão imensos, Senhor, os teus feitos, Maravilhas fizeste por nós”.

Que São Gonçalo aqui do alto desta colina, magnânima arquitetura divina, de sua casa de clemência e bondade nos ajude nos abençoando e nos conduzindo pelos caminhos que nos levam ao céu, por mais 200 anos!

Eu bato palmas, muito feliz. Gosto de São Gonçalo. Sou apaixonado pela sua igreja matriz, parabéns velha matriz!

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo!

Foto: Antonio Lauro
© 2013-2021 Diário de Caraíbas - Todos os direitos reservados.